siga o homoludens por email

UFMG EDUCATIVA: entrevista brinquedos e brincadeiras e formação da criança

FAZ ASSIM! CANTORIAS E BRINCADEIRAS INFANTIS

OUÇA AQUI AS PRIMEIRAS MÚSICAS DE NOSSO CD: produção: Claudio Emanuel, Marilza Máximo e Rogério Correia Direção Musical: Silvia Lima e Christiano Souza Oliveira

Faz assim!

Despedida/ Samba mais eu

territorio do brincar

sábado, 25 de abril de 2009

O brincar e um novo projeto para a infância


No último sábado, dia 27 eu e minha esposa Marlene nos encontramos com as professoras, coordenação e direção da Escola Municipal Deputado Jorge Ferraz, localizada no bairro Jardim Riacho, em Contagem. A escola funciona em dois turnos e atende a crianças de 3 a 9 anos de idade. São mais de 400 crianças, sendo 120 delas com idades até 6 anos.
É uma escola que investe no brincar de suas crianças. Alguns fatos podem comprovar o que digo:


- A escola faz uso de seus muitos e amplos espaços livres: quadra, parque de brinquedos, patio coberto e pequenas áreas livres;

- Os brinquedos são descentralizados, distrubuidos nas salas de aula;

- O grupo investe em formação sistemática de sua equipe de professores;

- a escola desenvolve vários projetos e e com eles novas possibilidades de reflexão sobre o brincar;

- a escola não somente capta recursos para compra de brinquedos como também os conseguem através da doação. Sistematicamente os brinquedos estão presentes em sua rotina, sejam eles pedagógicos ou voltados para o jogo simbólico. No ano passado a escola teve um projeto premiado pela Fundação Arcor intitulado "Recreio Solidário". A doação e a compra com recursos da propria prefeitura e a construção de brinquedos de sucata também se fazem presentes.


- A escola investe sempre em novos projetos voltados para o brincar, como o projeto de brinquedos tradicionais quando pretendem confeccionar uma mala com vários brinquedos e a construção de um pequeno anfiteatro.


Na nossa conversa (sempre com a presença de brincadeiras) sobre o brincar na institução fiz alguns comentários sobre problemas que enfrentam comuns a muitos outros espaços de educação infantil como da escolha e da manutenção do parque de brinquedos e a organização dos tempos e espaços voltados para o brincar.

Sugeri que uma proposta de diversificar ainda mais os espaços abertos que dispõem seria um caminho interessante. A construção de pequenos espaços voltados para o lazer como bancos e chuveiros, pequenas apresentações artísticas, voltados para as artes e de construir brinquedos por estes espaços que não ficassem apenas circunscritos a um espaço fechado (parquinho) para que fosse utilizado diariamente como grandes manilhas (sugestão da supervisora) rampas que possibilitassem escalar, escorregadores...
Outra idéia seria aumentar o tempo destinado as brincadeiras das crianças.

Um ponto alto do encontro foi a discussão sobre qual projeto de infancia a escola desenha (ou que deseja) para as suas crianças. A fim avaliar o brincar que acontece na escola deveríamos analisar o seu papel em relação as configurações da infancia de hoje. O polêmico vídeo-documentário a Invenção da Infância (que aborda de forma brilhante a discussão sobre um provável desaparecimento da idéia da infância como foi concebida na Idade Moderna- VEJA O FILME ATRAVÉS DO LINK ACIMA) deu suporte as discussões.
Diante de diversas práticas sociais que nos revelam o retrato de uma infância marcado pelo desinvestimento de nossa sociedade na garantia de melhor qualidade de vida de nossas crianças (um brincar da criança que é reduzido e cuja figura do adulto é cada vez mais ausente, da redução de espaços de encontros dos grupos infantis (ruas, praças, de uma cidade que não foi feita para elas) e da presença cada vez maior dos jogos eletrônicos, do computador e da televisão no dia-a-dia da criança), reforçamos no encontro a importância da escola no seu papel de contribuir de forma significativa para o desenho (é algo que se constrói todo dia, afinal não sejamos apocalípticos!) de um novo projeto de infância para e com a participação das crianças. Com mais brincadeiras, é claro! Um abraço!


2 comentários:

Anônimo disse...

Dica para você....

Perfil do brinquedista:

sensibilidade, entusiasmo, incentivação, determinação, criar hipóteses, fantasiar, liberdade de escolhas...

Só assim o adulto irá conseguir não só interagir com as crianças, mas também aprender juntamente com elas.

Conceição Jovita P. Gastaldi
Escola Municipal "Deputado Jorge Ferraz!"

Anônimo disse...

É muito rico este resgate das brincadeiras infantis, onde as crianças usam a movimentação corporal, uma vez que, hoje em dia estes momentos se restringem muito ao mundo escolar.

Cleire Cristina Pinto Silva
Escola Municipal Deputado Jorge Ferraz

Brincantes do Brasil: Entrevista com Lydia Hortélio by Almanaque Brasil

Brincantes do Brasil: Entrevista com Lydia Hortélio parte 2 by Amanaque Brasil