siga o homoludens por email

UFMG EDUCATIVA: entrevista brinquedos e brincadeiras e formação da criança

FAZ ASSIM! CANTORIAS E BRINCADEIRAS INFANTIS

OUÇA AQUI AS PRIMEIRAS MÚSICAS DE NOSSO CD: produção: Claudio Emanuel, Marilza Máximo e Rogério Correia Direção Musical: Silvia Lima e Christiano Souza Oliveira

Faz assim!

Despedida/ Samba mais eu

territorio do brincar

sábado, 31 de janeiro de 2009

Município de Contagem realiza pesquisa sobre o brincar das crianças em suas escolas.

O município de Contagem está preocupado com a qualidade do brincar das crianças em suas escolas. A pesquisa é fruto da parceria que estabelecemos junto à Secretaria de Educação de Contagem desde agosto de 2008. Nosso objetivo inicial era avaliar as compras e propostas de utilização de brinquedos realizadas naquele ano pelas instituições de Educação Infantil do município. A partir desse diagnóstico, seriam formulados novos critérios para aquisição e manutenção do acervo de brinquedos das respectivas escolas. A proposta ganhou um novo rumo no momento em que foi incorporada à discussão a necessidade de se investigar o papel dos jogos e brincadeiras nas propostas pedagógicas que as escolas formulavam para a infância. Entendendo por infância um tempo vivido pela criança que atravessa as duas modalidades de Ensino- a Educação Infantil e o Ensino Fundamental-, tal proposta apresentou-se como uma oportunidade de reunir num mesmo eixo de trabalho os dois setores, promovendo assim um intenso diálogo entre ambos. Apesar de estarmos tratando de realidades e etapas de ensino diferentes, nas discussões sobre a prática de jogos e brincadeiras como possibilidade de ensino foi possível encontrar questões comuns pertinentes a ambas realidades.

  • Quais são os espaços e tempos da escola voltados para o brincar das crianças?
  • Que tipos ou modalidades de jogos e brincadeiras são realizadas pelos professores?
  • Com qual intensidade os jogos e brincadeiras encontram-se presentes no cotidiano escolar e que tipo de apropriação a escola faz deles, seja como elementos da formação mais geral ou como instrumentos de ensino de determinadas áreas do conhecimento?
  • Que tipos de jogos, brinquedos e brincadeiras estão presentes nas escolas e como os professores, diretores e pedagogos justificam seu uso e sua presença?
  • Que concepções sobre o papel dos jogos e brincadeiras na formação e educação da criança orientam e justificam as escolhas e propostas feitas por profissionais das escolas?
  • Quais problemas e desafios relacionados ao tema da pesquisa enfrentam as escolas? Estas são algumas das questões que se fizeram presentes na formulação deste questionário.

A equipe organizada para a realização da pesquisa foi composta por representantes tanto da Educação infantil quanto do Ensino fundamental. Durante a etapa de construção do questionário além das questões que a equipe formulou a partir das observações nas escolas, tivemos acesso a uma bibliografia que orientou-nos na formulação das questões a serem investigadas. Uma dessas referências foi a pesquisa coordenada pela professora Tizuko M. Kishimoto (o texto está em nosso blog) também de tipo survey, realizada na cidade de São Paulo, junto às instituições de Educação Infantil do município, de 1996 a 1998. Seu objetivo era realizar tanto a identificação dos brinquedos e materiais pedagógicos presentes nas instituições infantis quanto caracterizar seus usos e significações para profissionais que atuavam com crianças de 4 a 6 anos. Foi uma leitura muito rica que nos ajudou na formulação de nosso próprio questionário, na forma com elaboraram as questões e principalmente na forma como organizaram e classificaram os brinquedos.

Está programado para 2009 a aplicação do questionário junto as escolas e a análise dos dados coletados.

A Equipe:

Nenhum comentário:

Brincantes do Brasil: Entrevista com Lydia Hortélio by Almanaque Brasil

Brincantes do Brasil: Entrevista com Lydia Hortélio parte 2 by Amanaque Brasil