siga o homoludens por email

UFMG EDUCATIVA: entrevista brinquedos e brincadeiras e formação da criança

FAZ ASSIM! CANTORIAS E BRINCADEIRAS INFANTIS

OUÇA AQUI AS PRIMEIRAS MÚSICAS DE NOSSO CD: produção: Claudio Emanuel, Marilza Máximo e Rogério Correia Direção Musical: Silvia Lima e Christiano Souza Oliveira

Faz assim!

Despedida/ Samba mais eu

territorio do brincar

sábado, 29 de novembro de 2008

13 dicas na hora de comprar os brinquedos para sua turma de Educação Infantil.

Está chegando o final de ano e muitas escolas ja fazem os preparativos parao ano seguinte renovando o seu acervo de brinquedos. Resolvi trazer minha contribuição ao elaborar algumas sugestões. Aí vão 13 dicas para quem deseja comprar brinquedos para sua escola, pra você que está pensando em grandes compras ou apenas em brinquedos para a sua turma, seja você uma pessoa mais experiente ou se está realizando esta tarefa pela primeira vez:

1- Planeje com antecedência sua compra. Comprar brinquedos não é como ir ao supermercado. Não dá pra ir com pressa, e nem pode ser resumida a apenas esta etapa. Mesmo que você tenha uma lista na mão, diante das prateleiras lotadas de produtos vão surgir muitas dúvidas. São muitas possibilidades e se você não tiver muita clareza do que você quer e precisa, pode correr o risco desta experiência tornar-se frustrante. Esta tarefa vai lhe exigir muita paciência, observação e análise mas também muitas alegrias e aprendizados;

2- Comece por montar uma lista daqueles brinquedos que você considere que não podem faltar. Pense nos critérios que você utilizou para compor esta lista. Muitas pessoas preferem começar primeiro pelos critérios. Para mim, o caminho não importa, desde que as duas coisas sejam realizadas ao final. Não deixe de fora os critérios como segurança (verifique se possui selo da inmetro), idade da criança e qualidade do produto;

3- Pesquise 1: Amplie sua lista, buscando outras. Elas economizam tempo e dão ótimas sugestões de brinquedos. Existem algumas disponíveis na internet. Compare-as com a lista que você fez, principalmente os critérios. Vale a pena citar duas delas: o guia dos brinquedos e dos jogos da Associação dos Fabrincantes de Brinquedos, a Abrinq (www.abrinq.com.br ). Constituído por brinquedos que foram aprovados por profissionais da educação e testados por crianças em situações reais de uso, o guia descreve com bastante detalhes os produtos (dimensões, material) com fotos e informações sobre as habilidades desenvolvidas durante o seu manuseio. Vem também com indicação da idade. Para quem quer uma lista mais atualizada, o site abrinquedoteca (www.abrinquedoteca.com.br) disponibiliza “os melhores (brinquedos) do ano 2008-2009” também em parceria com a Abrinq. A Fundação Orsa (www.fundacaoorsa.org.br ) também já publicou uma excelente lista de brinquedos, mas não consegui localizar em seu site tal documento. Para quem se interessar, a dica está dada;

4- Pesquise 2: a hora das visitas. Antes de comprar os brinquedos visite as lojas, agende as visitas dos representantes de brinquedos. É melhor ter contato direto com o produto para poder avaliar sua qualidade, sua resistência, sua textura, sua portabilidade (se possuem as dimensões necessárias para serem manipuladas pelas crianças que se destinam). Por exemplo, se o carrinho que você deseja comprar é resistente, se o tipo de eixo que sustenta a roda é feito de plástico ou de ferro, se resistirá aos movimentos vigorosos das crianças. Visitar as escolas que já tenham o produto é uma ótima opção;

5- Faça uma leitura geral dos brinquedos da sua lista. veja como está ficando sua “cara”. Os brinquedos devem contribuir para o desenvolvimento integral da criança. Um aspecto que está ficando de fora de muitas listas são os brinquedos que favorecem o jogo simbólico e do faz-de-conta, em detrimento dos brinquedos voltados para o ensino da língua e da matemática. Muito cuidado não deixe isto acontecer! Diversifique! Leve em consideração também outros aspectos como a diversidade etnico racial (bonecas negras, índias);

7- Consulte seus colegas antes da compra. Esta tarefa se torna muito mais interessante quando você compartilha suas dúvidas com outros profissionais e principalmente com as próprias crianças. Peça opinião de seus colegas, construa os critérios, monte uma nova lista. Este processo de escolha, quando envolve a participação das crianças torna-se muito rico e educativo;

8- Verifique se sua lista está em sintonia com a proposta que você faz ou quer fazer para o brincar das crianças. Qual o lugar do brinquedo na socialização, desenvolvimento e aprendizagem das crianças? como esta pergunta é respondida pensando em questões mais objetivas como: onde objetos vão ser utilizados? Quando? Por quem? São brinquedos que ficarão na sala de aula ou eles circularão por todas as turmas? São para o espaço externo? É uma brinquedoteca? Neste sentido, existem muitas experiências diferentes, mas uma dica é importante: assegure que o brinquedo esteja presente em todos os espaços e momentos da vida da criança na escola. A brinquedoteca (espaços voltados exclusivamente para o brincar) embora seja bela e um ótimo cartão de visitas tem sido muito criticada por não assegurar esta prerrogativa. Afinal, os outros espaços também podem ter brinquedos, inclusive a sala de aula. Dentre as propostas mais interessantes recomendo darem uma olhada naquela elaborada pelo Insituto Avisa Lá sobre cantinhos de atividades diversificadas do projeto KidsMart. visite o site: www.avisala.org.br;


9- Pense onde e como os brinquedos ficarão armazenados e como será a rotina de limpeza, dos consertos, das substituições. Se os brinquedos forem deslocados para outros espaços, pense como fará para que isto ocorra. Evite amontoar os brinquedos de forma desorganizada. Digo isto porque na compra do brinquedo pode também levar junto caixas, baús ou outro local de armazenamento. Quando não se pensa nisto as pessoas acabam aproveitando as caixas de papelão em que vieram os produtos e com o tempo, o papelão vai virando aquele molambo, uma coisa horrorosa! Aproveitando a deixa, prateleiras ao alcance das crianças, baús, caixas para os brinquedos com peças pequenas, nunca em armários fechados ou prateleiras altas. Lá os brinquedos podem cair no esquecimento. Lembre-se que quanto mais os brinquedos estiverem disponíveis, ao alcance das crianças melhor.

10- Pense na reposição do seu acervo. Se você não tem idéia de quando acontecerá a próxima compra, trabalhe pelo menos com o prazo de um ano. Se este for o caso, reserve parte dos brinquedos que irá adquirir para repor à medida em que os outros forem sendo inutilizados.

11- Compre uma quantidade de brinquedos que seja o suficiente para o número de crianças. É difícil chegar a este número mas poucos brinquedos representam muitos conflitos e poucas chances deles durarem até o final do ano. Voce também pode compor o seu acervo com outros tipos de brinquedos como aqueles que voce pode construir junto com as crianças, ou adquiri-los sem precisar comprá-los (por exemplo doação);

12- Fuja do apelo visual ou comercial dos brinquedos da televisão ou da moda. Seja critico ao fazer as escolhas. Avalie a real contribuição que aquele brinquedo possa trazer para a criança que brinca. Outra coisa, dê preferencia aos brinquedos nacionais ; fuja daqueles que não passaram pela avaliação técnica, não possuem garantia e oferecem risco a saúde das crianças. Economia que acaba saindo caro.

13- O trabalho não termina com a compra de brinquedos. Avalie o se sua compra foi satisfatória. Avalie se seu cliente está satisfeito! (brincadeira!) Observe as crianças brincando, veja quais objetos não passaram no teste da resistencia, quais foram os mais preferidos pelas crianças, converse com as professoras. Daí você já tem uma lista pra começar uma nova compra. Pra quem já possui brinquedos o trabalho pode começar por avaliar os já existentes.


Brinquedos que não podem faltar na sua lista: aqueles voltados para o jogo simbólico que representem o mundo real ou dos próprio universo infantil (fantasias, fantoches, mascaras, roupas) bonecas, bonecos, carrinhos, kits os mais diversos como salões de beleza, kit cozinha, barraca de feira, barraca de cachorro quente, oficina mecânica, médico, jogos de encaixe, brinquedos populares também são ótimos, existem aqueles também muito....

Boas compras!

Nenhum comentário:

Brincantes do Brasil: Entrevista com Lydia Hortélio by Almanaque Brasil

Brincantes do Brasil: Entrevista com Lydia Hortélio parte 2 by Amanaque Brasil