siga o homoludens por email

UFMG EDUCATIVA: entrevista brinquedos e brincadeiras e formação da criança

FAZ ASSIM! CANTORIAS E BRINCADEIRAS INFANTIS

OUÇA AQUI AS PRIMEIRAS MÚSICAS DE NOSSO CD: produção: Claudio Emanuel, Marilza Máximo e Rogério Correia Direção Musical: Silvia Lima e Christiano Souza Oliveira

Faz assim!

Despedida/ Samba mais eu

territorio do brincar

terça-feira, 13 de abril de 2010

Dia 24 tem oficina do Cavalo Marinho no Instituto Brincante- SP



Dia 24 de abril, sábado de 10h as 17 h será oferecida oficina sobre a dança popular do cavalo Marinho no Instuto Brincante, em São Paulo.

Veja a proposta da oficina:

Uma oficina interativa com jogos e brincadeiras no ritmo do Cavalo Marinho. Vamos tocar percussão, aprender canções, rimas e dançar fazendo todos os trupes. Esta oficina está entremeada de brincadeiras para nos ajudar a entender melhor toda a musicalidade do cavalo marinho: Jogos de mãos, brincadeiras com copos, jogos com bastões, trava-líguas e muito mais.
o curso custa R$ 120,00 reais.
O Instituto fica na Vila Madalena. Olha o endereço:

Rua Purpurina, 428 - Vila Madalena
São Paulo- SP
telefone: 011 3816-0575
Entre em contato também pelo site


MAIS SOBRE CAVALO MARINHO

"O Cavalo Marinho, como o Bumba-meu-boi, é uma aglutinação dos Reisados. Ao longo do espetáculo são agrupados cantos, loas, personagens e parte do Boi de Reis. É um verdadeiro auto popular que fala da vida passada e presente do povo. Uma tradição popular que vem se mantendo viva, principalmente durante o ciclo natalino".

"Tudo nos leva a achar maravilhoso esta manifestação do folclore pernambucano, desde a música com o seu som característico produzida pelos tocadores da rabeca, pandeiro, ganzá e reco-reco, que se parece muito com as toadas árabes. Os seus divertidos diálogos, suas danças parecem fazer parte de uma espécie de Teatro Mágico".

"A história do Cavalo Marinho basicamente é a seguinte: os personagens Mateus e Bastião, que participam do início ao fim da brincadeira, são dois negros amigos, que dividem a mesma mulher, a Catirina, e estão à procura de emprego. Eles são contratados para tomar conta da festa. O espetáculo é costurado ou coordenado pelo Capitão, de quem se origina o nome do folguedo. O nome do capitão é Marinho e ele chega montado em seu cavalo, daí a história dá seu prosseguimento até o momento final, quando o boi é dividido entre os participantes numa grande farra. Ao todo são 76 personagens (humanos e animais), representados em 63 atos".

FONTE: www.recife.pe.gov.br/especiais/brincantes/8c.html

Nenhum comentário:

Brincantes do Brasil: Entrevista com Lydia Hortélio by Almanaque Brasil

Brincantes do Brasil: Entrevista com Lydia Hortélio parte 2 by Amanaque Brasil